Medicina Integrativa

Dia Mundial de Luta Contra a AIDS

Postado em:
2/12/2020

Dia primeiro de dezembro marca a campanha Mundial de Luta Contra a AIDS

O início no Brasil

Basicamente todas as campanhas mundiais que tratam sobre uma síndrome ou doença tem o objetivo de despertar a necessidade da prevenção. Com a campanha sobre a AIDS não é diferente, ainda mais sendo uma doença que ainda não foi descoberta sua cura.

A data começou a ter importância em terras brasileiras somente no final da década de 1980, e envolveu os governos Federal, estaduais, distrital, municipais e organizações sociais. Nesta época o objetivo era mais voltado para a desconstrução do preconceito sobre as pessoas que viviam com a doença.

Sobre a AIDS

A UNAID, órgão criado pela ONU, trás algumas estatísticas importantes para compreendermos o tamanho da doença na população mundial e lutarmos cada vez mais na sua prevenção.

- Até o final do ano de 2019 a expectativa era de quem ao menos 38 milhões de pessoas em todo o mundo estavam com HIV. Sendo 1 milhão de crianças até 15 anos;

- Cerca de 7 milhões não sabiam que estavam contaminados;

- Desde 2010 as infecções estão diminuindo cerca de 23% no geral e 52% para novas infecções em crianças;

- Mulheres e Meninas representam juntas cerca de 48% de todas as novas infecções por HIV em 2019;

- No ano de 2019, 18% das pessoas já diagnosticadas com a doença não tinham acesso ao tratamento;

Nutrologia em favor da prevenção e cuidados

A função da nutrologia para os pacientes com HIV e AIDS é trabalhar alguns pontos esseciais. Sendo eles, a redução do catabolismo proteico e perda de peso, minimizar o estresse oxidativo, os sintomas e prevenir possíveis infecções, dar suporte nutricional adequado para cada paciente, estar atento no trato digestivo, agindo com precaução e tratando seus sintomas, melhorar a tolerância ao tratamento antirretroviral e promover a melhor qualidade de vida.

Vitaminas, Minerais, Nutrientes

Como é provável que os pacientes percam massa magra é importante focar nos macronutrientes, pois as proteínas são essenciais para a manutenção da massa. A média de consumo de proteínas na fase inicial da doença, deve ser respeitada o valor de 1,2g para cada quilo do peso do paciente, podendo chegar até 2g no estágio avançado da doença.

Levando a questão da alimentação mais a fundo chegamos nos micronutrientes e aqui é importante destacar os aminoácidos como carnes e whey. As vitaminas A, C, D, E e o complexo B tem ação antioxidante, assim como os minerais Selênio, Germânio e o Zinco (que é um dos principais nutrientes relacionados à imunidade).

Além desses podemos estudar numa próxima oportunidade a L-Glutationa, N-Acetil-Cisteína,Ácido Alfa-Lipóico, Coenzima Q10, Probióticos e Ácidos Graxos.

---

Se você é diagnosticado com HIV ou AIDS ou conhece alguém que seja converse com um de nossos especialistas em saúde e agende sua consulta inicial gratuita para tirar todas as suas dúvidas.

Por Rodrigo Vasconcellos
Referências:
http://www.aids.gov.br/pt-br/campanha/campanha-do-dia-mundial-de-luta-contra-aids-2010
https://unaids.org.br/estatisticas/#:~:text=38%20milh%C3%B5es%20%5B31%2C6%20milh%C3%B5es,at%C3%A9%20o%20fim%20de%202019
http://www.ecologiamedica.net/2016/12/aspectos-nutrologicos-sobre-hiv-eaids.html#:~:text=Desde%20a%20d%C3%A9cada%20de%2090,deficientes%20(comprovados%20laboratorialmente)%22

Posts em Destaque